Carnavais em Pompéia

O carnaval é uma das mais antigas festas da humanidade. Alguns estudiosos relatam seu início nos saturnais gregos, outros nos bacanais romanos. Muito presente na Europa Medieval, chegou no Brasil junto com os colonizadores portugueses. O termo carnaval vem da expressão em latim Carnavale, a festa da carne, marcada historicamente com muitas danças, comilanças e bebidas.

No Brasil, ao longo da história há registros de várias manifestações entre elas, os zé pereiras, os blocos, cordões, ranchos e as atuais escolas de samba. Nos grandes centros urbanos foi marcante , na transição do século XIX para o XX a presença do entrudo, uma forma peculiar das pessoas brincarem o carnaval, jogando água uma nas outras. Dessa brincadeira saíam amizades,  paqueras, namoros e até casamentos.

Festa popular, o carnaval tem como essência a alegria, a diversão e a socialização que envolvem os foliões. Seu grande espaço é a rua, embora o carnaval em salões também seja uma característica da folia. Nos dias destinados ao Momo ocorre o ritual da inversão: as pessoas se fantasiam, trocam o dia pela noite e afrouxam as diferenças sociais.

Em Pompéia, entre as décadas de 1980 e 1990 o carnaval era um grande entretenimento para os moradores. O desfile de rua contava com a presença de duas escolas de samba, a do Monteiro  e a do Pezão e do Pelé.  Os ensaios começavam a todo vapor em janeiro, a turma do Monteiro se concentrava na Praça do Velório e seus ensaios se deslocavam pela rua Quintino Bocaiúva. Já o grupo do Pezão e do Pelé, ensaiavam entre a Praça das Mães e a Praça da Bandeira.

Os desfiles aconteciam nas noites de sábado e segunda de carnaval. A nossa passarela do samba começava na rua Senador, passando pela Getúlio Vargas e João da Costa Vieira. Os jurados ficavam no palanque em frente a Praça Jesus Maria com grande concentração de pessoas e foliões.

O Carvanal de salão também tinha destaque em Pompéia. Aconteciam noites animadas como nas ruas. Se a rua era uma lugar de todos, sem distinção social, os salões mostravam bem essa divisão. No Panelão os preços eram mais populares, já na Recreativa o carnaval  buscava atender seus associados.

Na recrê, o carnaval tinha quatro noites e duas matinês. Os bailes eram bem cheios no sábado e na segunda. O salão era lindamente decorado, com uma nova temática a cada ano.  A banda era o ponto central para o sucesso do carnaval, uma vez que os foliões esperavam ansiosos pelas marchinhas. O samba e o Axé também faziam parte do repertório. Ao som da boa música, os carnavalescos dançavam em círculo no salão. O baile acontecia até as quatro da manhã. Haja energia!

Havia Competição das fantasias mais originais e engraçadas, bem como dos foliões mais animados. Os blocos também entravam na competição. Quem não se lembra dos homens que se fantasiavam de mulheres? Quem não se lembra do bloco dos Pimpolhos e dos Viracopos? A premiação dos ganhadores vinha em forma de doações, o prêmio geralmente eram várias caixas de cerveja. Afinal, estávamos no carnaval!

Os matinês aconteciam aos domingos e terças feiras, momentos nos quais ocorriam o encontro entre as famílias, em especial, daquelas que visitavam a nossa cidade. As crianças além de pularem carnaval também brincavam de atirar confete e serpentina. Nessas tardes também haviam competições entre as crianças pela melhor fantasia e pela maior animação dos blocos infantis. O prêmio? Caixas de refrigerante.

Na última noite era tradicional alguns foliões se jogarem na piscina do clube, por mais que a segurança fosse reforçada pela diretoria, sempre tinham aqueles que conseguiam furar a vigilância e dar o mergulho refrescante. Bons tempos que ficam na memória. Bons tempos que marcam uma história. Viva o Carnaval!

 E você, tem alguma boa história do carnaval de Pompéia para nos contar? É só compartilhar nos comentários.

OBS. Fotos retirados do Jornal de Pompéia e do Jornal A Época, presentes no acervo da Biblioteca Municipal de Pompéia

*Escrito por Fabio Augusto e publicado no nosso blog:  www.blogdahistoria.com.br

6 thoughts on “Carnavais em Pompéia

  1. Caraca Fábio e as canjas do Prof. Vanderlei pra curar a ressaca de quem ficava aguardando o sol? No último dia o esperado é proibido pulo na piscina…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *